Em 2008, a crise mundial de alimentos desviou o investimento agrícola para países com terras produtivas e mão-de-obra barata. O Corredor de Nacala, uma das áreas mais férteis e povoadas de Moçambique, foi atingido em cheio.

Pelo menos 38 empresas ligadas à agricultura, silvicultura e pecuária de larga escala instalaram-se na região. Milhares de camponeses foram expropriados e aguardam, até hoje, que as promessas de uma vida melhor se cumpram.